terça-feira, 25 de outubro de 2016

PROPOSTA DE PLANO DE AULA – LINGUA PORTUGUESA




PLANO DE AULA – ESSE ANO VOU VOTAR (este plano para quatro aulas – constará:
1-    Introdução/motivação em língua portuguesa,
2-    Transversalidade: cidadania – pleito;
3-    Simulação do pleito- e poderá também envolver toda a escola e se tornar um projeto)

Nível de Ensino- Ensino Fundamental II

Tema Curricular - Cidadania e cultura no mundo contemporâneo – Língua Portuguesa: gênero literário; estrutura do texto; conteúdos gramaticais; reconto através da n construção de uma peça teatral ou dramatização da trama contida na crônica.

Nesta aula, as questões, poderão ser trabalhadas também, como cidadania, direitos humanos, organizações políticas, de acordo com o nível de conhecimento prévio dos alunos sobre os temas em referência.

O que o aluno poderá aprender com esta aula:

1-Tema Transversal: Cidadania

Compreender o conceito de democracia;
Refletir sobre o exercício da cidadania e sua relação com o processo democrático;
Participar de um processo eleitoral através de uma simulação

2-Língua Portuguesa: Gênero Literário: Crônica; principais elementos estruturais de um texto: introdução, desenvolvimento, conclusão; elementos de um diálogo; construção de uma peça teatral á partir do texto ou a simulação da trama sugerida na crônica a ser trabalhada; gramática (conteúdos em pauta)

3-Duração das atividades -3 a 4 aulas de 50 minutos
Desenvolvimento
Estratégia de Motivação:
Cada aluno recebe o texto impresso da crônica de Fernando Veríssimo “O Pleito”
-----------------------------------------------------------------------------------------------------









O Pleito
Luís Fernando Veríssimo

http://3.bp.blogspot.com/-ZDSfY_Xuvv4/UCgY7x8b-qI/AAAAAAAAGv4/p4IpklQ1Fw0/s320/lfv.jpgComo era época de eleição, a professora decidiu fazer um pleito simulado na sala de aula. Não, André pleito não é o que pleru tem na frente. Atenção aula. Para uma eleição é preciso...
_Saco.
_Pare, André. É preciso candidatos. Quem quer ser candidato? Muito bem. Você... você não, André, e você... Cada candidato diz o que pensa em fazer se for eleito. Quem conseguir convencer o maior número de pessoas a votar nele ganha. Vamos começar por você. Carlos Eduardo. Se você fosse eleito, qual seria a primeira coisa que faria?
_Acabava com o colégio.
_Não assopre, André. Fale Carlos Eduardo.
_Dava dinheiro pros pobres ahn... construiria mais hospitais, mais escolas e uma sorveteria lá perto de casa.
_Carlos Eduardo, um candidato não pode pensar nos seus interesses. Tem de pensar nos interesses de todos. Mas está bom o seu programa de governo. Melhor distribuição de renda, mais atenção à saúde e à educação. Ótimo. E você Rita?
_Meus amigos...
_Não precisa subir na mesa. Fale do chão mesmo.
_Meus amigos! Se eleita, resolverei todos os problemas do Brasil!
_Como, Rita? Você tem que ser mais específica.
_Eu ainda não tenho um plano, mas na hora me dá um estalo. Eu sei que dá.
_Muito bem. A Rita é o tipo de candidato que não tem um programa e em quem você confia ou não confia. Vocês é que vão decidir. E você, Otávio? Faça seu discurso.
_Brasileiros e brasileiras!
_André fique quieto. O Otávio, André!


e5

_Bom eu representarei vocês no governo. O que vocês quiserem eu farei.
_O Otávio é outro estilo de candidato. Então vamos ver. O Carlos tem um programa de governo, a Rita diz que ela, na hora resolve tudo, e o Otávio diz que fará o que pedirem. Vamos votar. Cada um escreve neste papelzinho o nome do candidato, depois coloca nesta caixa. André, distribua os papeizinhos, por favor. Se isto fosse uma eleição de verdade estas seriam cédulas, e isto, uma urna. Cada um vota de acordo com as suas convicções.
_Como se escreve “MacDonalds”?
_Isso é sério, André. Vamos ver quem ganha.
_Primeiro o Otávio, segundo a Rita, terceiro o Carlos Eduardo.
_Como é que você sabe, André?
_Fiz uma pesquisa enquanto distribuía os papeizinhos.
_Podem parar de votar.
_Porque, professora?
_Não tem mais graça.
Todos concordaram que as pesquisas estragam tudo e ninguém falou com o André pelo resto do dia. Apesar de ele acusar todo mundo de ser contra a ciência
_________________________________________________________________________________
Após a leitura silenciosa do texto, proceder com a turma:

1-A leitura do texto pelo professor, com as devidas entonações, para melhor compreensão do do texto.
2-Leitura individual por alguns alunos de acordo com a rotina que o professor tem, em sala de aula, de exercícios de leitura.
3-Interpretação do texto. (pergunte aos alunos)
. Quem participa da história?
. O que acontece na história?
. Quem conta a história?
. Onde a história se passa?
. Quando essa história se passa ou é contada?
. É um fato que acontece na vida real?

4-Provoque os alunos:


Neste momento, a professora vai proceder a compreensão do vocabulário, pedindo que os alunos apontem as palavras que não conhecem.
Descobrir o conhecimento prévio sobre eleições, formas de governo, programa de governo dos candidatos (plataforma política), a importância do voto, (cidadania), voto em branco, voto nulo, pesquisas, pesquisas de boca de urna – provocando a exposição de conhecimentos, do senso crítico, valores, e interesses em relação ao tema central da crônica, pois a partir daí o professor fará o planejamento sobre o tema transversal, enquanto trabalha os conteúdos já planejados em língua portuguesa.
Identificação dos principais conceitos em relação ao PLEITO – como exercício´cicio da cidadania, dividindo a turma em grupos ( 7 grupos com o máximo de 4 alunos)e distribuindo fichas impressas : PLEITO – PROGRAMA DE GOVERNO - VOTO NULO – VOTAÇÃO – PESQUISAS- os grupos vão identificar no texto os conceitos solicitados nas fichas e apresentarem à turma, o último grupo fará a conclusão ( sempre em cada apresentação o professor fará intervenções e provocações de conhecimentos)

5-Identificação dos aspectos textuais – introdução – desenvolvimento – clímax – conclusão.
6-Gênero literário:

A crônica enquanto estilo literário: Ligada à vida quotidiana; Narrativa informal, familiar, intimista; Uso da oralidade na escrita: linguagem coloquial; Sensibilidade no contato com a realidade; Síntese; Leveza; Diz coisas sérias por meio de uma aparente conversa fiada; Uso do humor; É um fato moderno: está sujeita à rápida transformação e à fugacidade da vida moderna. Enfim, é uma história do dia-a-dia, com uma pitada de humor, transformada em textos maravilhosos aí, o humor faz com que fique mais interessante.
Essa é uma característica bem marcante do Luís Fernando Veríssimo
Gramática: o professor vai usar o texto para trabalhar; pontuação ( no diálogo, por exemplo) e os aspectos gramaticais já em desenvolvimento.
Reconto -colocar em discussão as atividades, enfatizando a sua importância:

  • simulação de um pleito eleitoral –

  • Atividade extra classe: será solicitado que se manifestem no mínimo 3 (três) candidatos à prefeito(de seus municípios), pesquisem as necessidades da população e apresentem seus programas de governo ( para serem apresentadas na próxima aula e começar a propaganda política à turma ou à escola se for um projeto que envolva toda a escola.
http://2.bp.blogspot.com/-vTwedmS2Nbw/UCgGtTNDZaI/AAAAAAAAGr8/3OISaowtoYQ/s1600/c.jpg

2ª Aula – Tema Transversal – Cidadania: direito de escolher seus governantes


Subsídio ao professor:

Conceituar cidadania e democracia– na linguagem que os alunos possam identificar no seu papel na sociedade.

“...o exercício da cidadania compreende a totalidade dos direitos que o indivíduo tem de desempenhar nas mais diversas funções no tecido social, do ponto de vista individual e social. No cotidiano de cada um, seja criança ou adulto, o conhecimento dos direitos, o reconhecimento dos deveres, a adesão legítima às riquezas das necessidades (mesmo as sociais, culturais e políticas) garantem o princípio de liberdade de cidadania. Isso confere ao cidadão o direito de escolher seus amigos, brinquedos, diversão, o seu emprego, a mulher com quem vai se casar, o número de filhos, o médico que ele vai frequentar, o partido político ao qual vai aderir, as concepções de Estado e sociedade para as quais vai destinar o seu voto, o lugar que ele vai ocupar na sociedade.”Paulo Freire (2007b, p. 30-31):

A educação para a cidadania, deve ser resultante de uma consciência crítica de um sujeito ativo e participativo na vida social com suas leis, deveres e concepção de sujeitos, o que implica aprender a viver a cidadania. e a compreensão da organização política do país –Legislativo, Executivo e Judiciário ( resumir as funções dos três poderes) – como tema impulsionador para uma formação crítica e compreensiva da cidadania imbricada nessa organização, tendo como base a vivência social desses poderes, viabilizadas para crianças do ensino fundamental. Essa proposta visa contribuir com o desenvolvimento intelectual, social.

Democracia

Democracia – Democracia representativa onde o povo delega seus poderes por meio de eleições;

1-O professor iniciará a aula fazendo alguns questionamentos, tais como:
  • O que vocês acham que significa democracia?
  • O que vocês já ouviram falar sobre democracia?
  • Quando podemos dizer que um país é democrático?
  • O Brasil é um país democrático?
  • Vocês já ouviram falar em cidadania, “ser cidadão”, qual seria a ligação da democracia com a cidadania?
  • Registrar o que os alunos já sabem e procurar direcionar os conteúdos objetivando esclarecer o que ainda não compreendem bem, ou o que gostariam de saber mais.



2-Organizar ( com a turma) o pleito:
  • http://2.bp.blogspot.com/-aocOXUHaRwQ/UCgGGeSFkCI/AAAAAAAAGr0/H1xnVNg2Muk/s1600/e4.jpgdeterminar o tempo de duração do processo eleitoral (uma semana, no máximo)
  • apresentação dos candidatos
  • eleger uma comissão eleitoral, que se encarregará de organizar, com a supervisão da professora todo o processo eleitoral;
  • estabelecer o horário próprio para a propaganda política;
  • estabelecer regras baseadas nas atuais normas que regem a propaganda eleitora:
-não espalhar papeis com programas de governo pelos espaços da escola (somente nos locais permitidos) – murais específicos ( na sala ou espaços da escola);
-não oferecem presentes ou gratificações em troca de apoio político;
-não ofender, colocar apelidos, criticar ou combater os programas de governo apresentados pelos concorrentes

  • http://1.bp.blogspot.com/-PpusQc5NROw/UCgG_Pa2RVI/AAAAAAAAGsE/9jMy4KXDOkk/s320/v2.jpgesclarecer sobre a questão do voto nulo” ser uma forma de faltar com seu direito de exercício da cidadania
  • comparecer aos debates quando forem determinados, obedecendo as regras estabelecidas.
  • marcar duas reuniões políticas para apresentação dos programas de governos – uma no início outra nas vésperas das eleições`: que se constituírão de apresentação dos programas de governos e responder as questões (entregues por escrito aos candidatos) para esclarecer dúvidas.
  • proibir a pesquisa (tipo “boca de urna” esclarecendo como é prejudicial aos resultados verdadeiros da eleição - lembrando que é proibido por lei.
  • estabelecer o dia da votação e apuração;
Sugestões de atividades:
  1. Levar urna eletrônica para os alunos fazerem a simulação da votação;
  2. Elaborar mural com informativos sobre a eleição.
  3. Convidar um candidato para ir à escola esclarecer as dúvidas das crianças sobre o voto.
  4. Trabalhar os deveres dos políticos.
  5. Trabalhar com tipos de propaganda.
  6. Valorizar talentos (através de comício eleitoral).
  7. Apresentar propostas eleitorais feitas pelos alunos candidatos.
  8. Trabalhar a importância da política na vida dos cidadãos.
  9. Simular programas de TV e rádio na realização de debates entre os candidatos.
  10. Realizar visitas a casas legislativas (câmara de vereadores, prefeituras…).

Uma grande sugestão: solicitar ao TRE (Tribunal Regional Eleitora) o empréstimo de urnas eletrônicas programadas com os nome e fotografias dos candidatos, uma vez que os TREs estão levando para a escola o projeto “~Eleitor do Futuro” com os mesmo objetivos destas aula/projeto. Levando o projeto escrito e fazendo a solicitação, vale a pena tentar!

Conclusão
  • A realização da votação, com os fiscais de cada candidato, cédulas autenticadas, e similares de urnas.
  • Apuração dos votos: alunos escolhidos para proceder a apuração com supervisão da professora, e os fiscais dos candidatos.
  • Declaração dos resultados posse com faixa, discurso de posse (cada aluno deverá ter pronto, previamente, caso seja eleito) e comemoração.
Avaliação

A avaliação deverá ser realizada durante todo o processo, observando a participação dos alunos, bem como a realização das atividades.
Enriqueça seu projeto adequando às necessidades e sua turma: formação de valores e conteúdos curriculares – esta é apenas uma sugestão!

Por: Júlia Virginia de Moura – Pedagoga


Fonte de pesquisa:
 
Fonte

Veríssimo, Luís Fernando. O santinho. Apresentação Maria Clara Machado. Rio de Janeiro.Objetiva,2001

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 36 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2007ª.

RODRIGUES, Neidson. Da mistificação da escola a escola necessária. 8 ed. São Paulo:
Cortez, 1998.

MEC – Parâmetros Curriculares Nacionais – Temas transversais

Nenhum comentário: